Tipos de feedback: quais são e como devem ser aplicados?

tipos de feedback

Tipos de feedback: quais são e como devem ser aplicados?

Você sabia que conhecer os principais tipos de feedbacks e a forma correta de aplicá-los pode potencializar os ganhos do seu negócio? Por outro lado, negligenciar o assunto pode arruinar seus resultados!

Afinal, é a partir de tal descuido que a empresa deixa escapar excelentes profissionais ou acaba normalizando condutas insatisfatórias.

Por isso, neste artigo você vai entender como não cair em nenhuma dessas duas armadilhas!

Por que é importante conhecer os tipos de feedback?

Antes de conhecer os tipos de feedback mais utilizados no mundo corporativo, é importante saber que o termo em inglês significa “dar um retorno, oferecer um comentário sobre determinada atividade desempenhada”.

Desse modo, esse recurso é indispensável à boa gestão de uma empresa, tendo em vista que por meio dele é possível estimular os pontos positivos de um profissional e lapidar os negativos.

Porém, é necessário conhecer as abordagens existentes para identificar qual a melhor para cada momento.

Quais são os 7 principais tipos de feedback?

Agora sim, conheça os 7 tipos de feedback mais utilizados nas empresas e em quais situações são adotados:

1. Feedback Positivo

Para começar, temos a devolutiva que, com certeza, todo profissional deseja receber. Até porque, é natural gostar de saber que determinada atitude superou as expectativas de maneira satisfatória.

Portanto, o feedback positivo é aquele em que os pontos fortes do colaborador são evidenciados ou seu desempenho elogiado

A atitude, certamente, pode gerar bons resultados e estimular o profissional a melhorar cada vez mais.

2. Feedback Negativo

Por outro lado, a devolutiva que todo funcionário espera não receber, é a negativa. Justamente por isso, aplicar adequadamente esta modalidade de feedback é um dos maiores desafios dos gestores.

Conhecida por desmotivar o trabalhador através de críticas e falta de soluções para os problemas levantados, esta categoria de feedback tem caído em desuso. 

3. Feedback Corretivo

Ao trazer à tona o ponto fraco de um profissional e, em seguida, apresentar o que pode ser feito para corrigir o problema, temos um feedback corretivo. Esse tipo de feedback é fundamental à evolução dos processos e do indivíduo.

Vale ressaltar, que é muito importante que o feedback corretivo seja dado em privado, a fim de evitar constrangimentos

Além disso, é sempre recomendado, obviamente, ter respeito e cuidado com o tom de voz e com as palavras. 

4. Feedback Construtivo

Dentre todos os tipos de feedback existentes, o construtivo é, provavelmente, um dos mais eficazes. Isso porque, a abordagem aponta tanto os pontos fracos quanto os fortes do profissional.

De tal maneira, priorizá-lo dentro de uma empresa é importante para motivar a equipe e manter um clima organizacional satisfatório, onde cada colaborador sabe não só o que precisa melhorar, mas também como isso pode ser feito.

Confira alguns assuntos tratados neste tipo de feedback:

  • Desempenho em relação às metas;
  • Assiduidade e pontualidade;
  • Comunicação e relacionamento;
  • Trabalho em equipe;
  • Soft skills (competências comportamentais);
  • Hard skills (competências técnicas);
  • Gestão do tempo e produtividade.

5. Feedback 360º

O feedback 360º recebe esse nome porque funciona a partir de devolutivas que partem de todas as direções. Em outras palavras, colaboradores, líderes e equipes se avaliam mutuamente.

Assim, todos têm a possibilidade de contribuir a partir da própria percepção. Vale destacar, porém, que o procedimento é realizado de forma anônima.

6. Autofeedback

Aqui, como o próprio nome sugere, o feedback deve ser feito pelo próprio profissional, servindo como um artifício de autoconhecimento.

Resumidamente, o RH orienta o colaborador a desenvolver uma autoavaliação completa a respeito de seus pontos fortes e fracos, conquistas e frustrações, talentos e dificuldades, por exemplo.

A partir daí, a gestão fará uma análise do exercício e oferecerá instruções que ajudem o colaborador a evoluir.

7. Feedforward

Se por um lado o feedback é um comentário feito sobre as ações passadas, o feedforward se baseia no futuro.

Ou seja, a avaliação de desempenho usada pelos gestores considera uma situação do presente e sugere caminhos de aprimoramento ao profissional

Para que possa ser bem executada, a estratégia deve contar com uma equipe de gestão capaz de projetar soluções futuras.

Como dominar a arte dos feedbacks? 

Depois de conhecer os tipos de feedback mais comuns, você precisa saber como aplicá-los de forma eficaz. Por isso, separamos algumas dicas para te ajudar nessa missão:

Escolha o melhor momento

Dar um feedback na hora certa é tão importante quanto a abordagem que será adotada. Por isso, saiba identificar o momento correto para comentar sobre o que acontece na empresa.

Isso significa que você deve ficar atento a tudo o que ocorre no dia a dia e fazer a devolutiva tão logo seja possível, não é preciso fazer disso um evento. 

Dê feedbacks periódicos

Seguindo a mesma linha da dica anterior, é fundamental dar feedbacks periódicos, sem deixar que as devolutivas se acumulem.

Então, estabeleça intervalos mais curtos (semanais) para oferecer feedbacks simples e períodos maiores (mensais ou bimestrais) para detalhar os comentários. 

Tenha em mente que não dá para ficar fazendo reunião de hora em hora, hein!

Preserve seus colaboradores

Reforçando o que já foi dito, feedbacks corretivos devem ser dados em particular, nunca se esqueça disso! Além de receber uma orientação personalizada, o profissional não é exposto e se sente mais à vontade para trocar ideias.

Por outro lado, feedbacks positivos podem ser coletivos, pois motivam e servem de exemplo para o resto da equipe, promovendo a integração do time.

Qual a frequência ideal dos feedbacks?

Para encerrar esta série de dicas sobre os mais variados tipos de feedbacks, queremos reforçar a importância de tratar o assunto com naturalidade e desmistificá-lo. 

Logo, praticar é a melhor forma de aperfeiçoar uma técnica e transformá-la em um hábito. Por isso, chega de feedbacks anuais ou só após a fase de experiência, é preciso ter maior frequência e adotá-los conforme mencionamos anteriormente.

Nunca se esqueça do quanto o seu comentário enquanto gestor pode ajudar outra pessoa a se desenvolver, melhorar a própria performance e contribuir com os resultados do seu negócio.

Portanto, comece a treinar suas habilidades de comunicação e aprenda a dar feedbacks para evitar que grandes talentos se percam ou que sua empresa afunde por falta de direcionamento! 

Quer saber mais sobre como fazer uma boa gestão? Então leia também:

  1. Você sabe o que são e para que servem as metas SMART?
  2. Como fazer a gestão do tempo na empresa?
  3. O que é liderança transformacional e quais as suas vantagens?
Open chat
Olá, como podemos lhe ajudar?